sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Bad Religion 9 – Recipe For Hate (1993)


Nota: 9,5
De volta após quase dois meses sem um post, eis que chegamos no disco divisor de águas da carreira do Bad Religion, aquele que fez a banda finalmente romper a barreira do Underground e estourar (nas suas devidas proporções) no Mainstream: com vocês, o magnífico “Recipe For Hate”!

E, como já virou praticamente um clichê, sempre que uma banda atinge o topo, o ápice comercial, é chegada a hora dos problemas internos começarem! E, assim como aconteceu com nomes como Raimundos, Sepultura, Iron Maiden, Metallica e (quase) qualquer outra banda que tenha chegado “lá”, os problemas do Bad Religion começaram assim que Recipe For Hate(ou “receita para odiar”, numa tradução livre), seu 7º disco de estúdio, foi lançado, em 4 de junho de 1993, pela Epitaph Records, gravadora independente de propriedade do guitarrista e compositor da banda, Brett Gurewitz (ou Mr. Brett).

Mas vamos voltar no tempo, para o comecinho de 93, um pouco antes dessa “bomba explodir”, para entender o que se sucedeu...

Letras no encarte da versão brasileira (clique para ampliar)
Depois de terem dado uma “enxugada” na fórmula musical de “Punk Rock com melodias” e mudar todo o processo de gravação em “Generator”, o disco anterior que saiu em 1992, Mr. Brett e Greg Graffin (vocalista e chapa que divide a composição no BR com Brett) resolveram não fazer nenhum plano para o próximo disco. “Acho que saiu um disco mais acessível, mas não dá pra dizer que foi premeditado”, se defendeu o guitarrista, em entrevistas na época. “Greg e eu realmente não conversamos nada sobre pra onde iríamos antes de compor qualquer coisa.

Brett (à dir.) mixando o disco com Paul Du Gre
A verdade é que, aliado a uma produção mais limpa, nítida e cristalina, que trouxe um som de bateria bem mais evidente (e com a caixa dando aquele famoso timbre de lata de Nescau), feita em pouco mais de 3 semanas, ao custo de 50 mil dólares, no estúdio de Brett, o Westbeach Recorders, na California, “Recipe For Hate” acabou trazendo naturalmente músicas com um acento ainda mais POP, endossadas ainda pelas primeiras experimentações do Bad Religion com elementos do Rock Alternativo (que estava em altíssima evidência na época, com a cena Grunge de Seattle - Nirvana, Pearl Jam, Soundgarden etc.), Folk (uma das paixões de Greg Graffin) e, até mesmo, música Country.

Com o 'parceiro' Eddie Vedder, ao vivo
Como se não bastasse, há ainda o fator “participações especiais” a ser somado na fórmula do disco, já que “RFH” trouxe seis músicos de fora pra tocar, sendo os nomes mais famosos os de Eddie Vedder, do hypado (na época) Pearl Jam, que emprestou sua chorosa voz em “American Jesus” e “Watch It Die”, e Johnette Napolitano, do Concrete Blonde, que fez a já triste “Struck A Nerve” parecer um “limbo-com-ainda-menos-esperança” com seus berros desesperadores na ponte da música. Ambos eram amigos da banda e suas participações foram 100% na base da amizade. Já os demais convidados, “não-famosos”, apenas tiveram solos de guitarra e slide guitar espalhados pelo disco...

O resultado desse “descompromissado mergulho na experimentação com convidados ilustres” foi que, pela primeira vez, o Bad Religion figurou nas tão faladas paradas da Billboard, com “Recipe For Hate” ficando 10 semanas na chart “Heatseekers”, onde atingiu o número 14! E se no rádio tudo ia bem, na TV o negócio foi ainda melhor, com os novíssimos clipes de “Struck a Nerve” e “American Jesus”, o primeiro hit da banda, passando sem parar, e em alta rotatividade, na MTV americana. Em termos de vendas, “Recipe For Hate” também fez o BR bater todos os seus recordes, sendo que em setembro de 93, cerca de 3 meses depois do lançamento, o disco já havia vendido mais de 180 mil cópias só nos EUA, superando todos os lançamentos anteriores.

E foi aí que começaram os problemas...

BR em 93, ainda com Brett (de óculos)
E o que parecia improvável acabou acontecendo da forma mais traumática possível: o Bad Religion resolveu sair de sua própria gravadora, a Epitaph, depois de 13 anos, e o impacto da ação gerou um seriíssimo racha interno, com 4 membros de um lado CONTRA 1 único remanescente do outro, apoiado nas muletas de ter o comando da gravadora da banda. “O objetivo do Brett era mostrar o quanto o Bad Religion dependia da Epitaph. O nosso objetivo era mostrar o quanto o Bad Religion amparava a Epitaph”, disse Greg Graffin, sem dó, em uma entrevista de 1996. “Tudo ficou bem mais difícil quando certas pessoas começam acreditar que elas são a razão de tudo de bom que aconteceu”, alfinetou o baixista Jay Bentley em entrevista de 1997, referindo-se a Brett, de quem era braço direito no trabalho, nos dias mais “independentes” da gravadora Epitaph até o rompimento.

Com as vendas de “RFH” aumentando dia após dia, a Atlantic Records, uma gravadora “major” (ou seja, uma empresa multinacional), enxergou o potencial do BR e fez aquela “proposta indecente” para ter a banda em seu catálogo. Brett, que era dono da Epitaph e, consequentemente, de todo o catálogo da SUA banda, se doeu todo e não gostou nada da ideia. Mas, como ele dividia a liderança da banda com Greg Graffin (que já estava “afinzão” de tentar algo diferente, com “cara de mainstream” e não mais de “independente”), além dos outros 3 membros da banda (Jay Bentrey mais o guitarrista Greg Hetson e o batera Bobby Schayer) votando a favor da saída, o Bad Religion acabou assinando o contrato com a Atlantic e, rapidamente, ainda em 93, “Recipe For Hate” foi relançado pela major, fazendo Brett, que na época havia voltado com tudo ao vício do crack (!!!), se morder de raiva de seus parceiros, porém, ainda sem tomar atitudes mais drásticas.

Contracapa da versão nacional da Paradoxx
O contrato com a gravadora major previa, além da inclusão do disco recém-lançado em seu catálogo, mais outros 6 discos (eles ainda queriam os direitos de “Generator”, mas Brett não deixou), e oferecia, entre outras coisas, “liberdade artística total” e aquela estrutura que “só uma banda em gravadora major pode usufruir”, além de uma distribuição mundial de seus discos. E foi assim que os fãs brasileiros puderam adquirir o 1º lançamento nacional do Bad Religion por aqui, com “Recipe For Hate” sendo distribuído em nosso território pela Paradoxx/Sony Music ainda em 1993! Antes era só na base do importado...

Olhando para o disco, começando pela capa, tem-se a bela arte de Fred Hidalgo (que também foi o responsável pela capa de “Smash”, do Offspring) com os dois cachorros raivosos, vestindo seus ternos amassados depois de um dia sufocante de trabalho, com um fundo de vermelho-calor mais sufocante ainda! Clássica e bem atraente para embalar as 14 faixas em 37 minutos da “receita para o odiar”!

Capa da versão em K7
Mesmo com toda a tensão interna causada pela saída da Epitaph, contrariando todas as expectativas, o Bad Religion estava em seu melhor momento musical, tendo atingindo seu ápice criativo com “Recipe For Hate”! Esse “momento mágico”, que talvez jamais seja alcançado, durou ainda mais 2 discos, gerando uma 2ª trinca de discos clássicos na carreira da banda! Os fãs puristas sempre vão preferir os 3 discos pós-retorno nos Anos 80: “Suffer” (1988), “No Control” (1989) e “Against The Grain” (1990). Mas nenhum será capaz de diminuir os discos que vieram nessa segunda leva: “Recipe For Hate” (1993), “Stranger Than Fiction” (1994) e “The Gray Race” (1996). Era o estilo clássico de composição do BR, aperfeiçoado e levado às últimas consequências, tanto que a partir de 1996, a banda passou apenas a se copiar (não que isso seja uma coisa ruim. Longe disso, aliás... rs).

Arte do single de "American Jesus"
Voltando ao “RFH”, como já é tradição abrir seus discos com a mais cacetada, o Bad Religion já começa o play com a faixa-título quebrando tudo, com seu riff cortante e simples e a letra de Graffin, que manda aquele recado pra quem ainda acredita que a América foi “descoberta” por Cristovão Colombo! Ainda é uma das mais tocadas nos shows até hoje! Na sequência temos a cheia de influências countryKerosene”, que lembra “Atomic Garden”, do disco anterior, e tem tantos solos, que mal se escuta a base! Para tantos solos, participaram como convidados os guitarristas Jon Wahl e Chris Bagarozzi.

E então chega a faixa 3 e um inexplicável groove cheio de energia e incrivelmente simples (eles tocam apenas 4 acordes repetidamente a maior parte do som...) de puro Punk Rock te pega pelo estômago e te segura pra nunca mais soltar! Foi assim comigo quando ouvi pela primeira vez “American Jesus” hit máster do disco e, quiçá do Bad Religion!

O “Jesus Americano” foi a quarta música escrita por Graffin e Brett em parceria na banda, sendo que o cantor apenas contribuiu com as letras dos versos, enquanto o guitarrista fez todo o resto. A letra ironizava o sentimento que George Bush (o pai) tentou passar à nação americana, quando disse que eles ganhariam a guerra do Golfo, porque “Deus estava do lado deles”. É como ironizar aquele chavão nosso do “Deus é Brasileiro”! O clipe, produzido e dirigido pelo amigo da banda Gore Verbinski, trazia mais amigos e alguns funcionários da Epitaph perambulando vendados e carregando cruzes por Los Angeles, enquanto a banda performava em um deserto não tão próximo a cidade Red Rock Canyon, na Califórnia.

Veja abaixo o clipe de American Jesus:

Na sequência, vem “Portrait of Authority, mais uma interessante música Punk cadenciada de Greg Graffin (como “Faith Alone”), mas, dessa vez, com letra atacando o autoritarismo: “Há busto de mármore me encarando/E ninguém se atreveria a derrubar/E isso determina o que é certo e errado.” Em seguida, “Man With a Missionmostra todo o experimentalismo de Mr. Brett ao misturar Punk com o Country e Folk, com direito a vocal “dupla sertaneja” e até mesmo uma slide guitar, tocada pelo convidado Greg Leisz. A letra é uma clássica do BR, criticando quem segue falsos líderes às cegas por aí.

Cartaz promocional de RFH
Ainda na sessão “experimentalismo”, o play traz a interessante “All Good Soldiers”, com Mr. Brett arriscando tudo ao compor uma levada groovada, diferente de tudo já feito antes pela banda, totalmente inspirada no Rock Alternativo (leia-se: Grunge) e que poderia estar facilmente num disco do Mudhoney! A letra, como o título entrega, ironiza os soldados bonzinhos e fieis do exército. E, como se não bastasse, há ainda um solo de guitarra feito pelo engenheiro de som assistente do estúdio de Brett, Joe Pecerillo, como convidado (mais um!).

Watch it Die”, de Graffin, vem na sequência, mostrando toda a paixão do cantor pelo Folk de influência irlandesa, bem comum e enraizado na cultura norte-americana. A levada feliz, e que poderia ser acompanhada muito bem por um banjo (!), contrasta de maneira inteligente com a pessimista "letra apocalíptica fim do mundo”. Para ajudar, há ainda a participação do amigão Eddie Vedder, do Pearl Jam, cantando a segunda estrofe da letra!

E já que Graffin se mostrou pessimista, seu lado observador do cotidiano triste do mundo nos dias de hoje acabou aflorando de vez, em forma de uma brilhante poesia, cheia de sentimento e revolta, envolta por um Punk Rock certamente composto no piano, na maravilhosa “Struck a Nerve(tradução livre: “deu no saco”): “Eu tento fechar meus olhos, mas não consigo ignorar o estímulo. Se há um propósito pra vivermos aqui assim, ele ainda permanece um segredo pra mim, então não me peça pra justificar minha vida.” O clipe, dirigido por Darren Lavette, traz cores tristes e blip-verts sem sentido.

Veja abaixo o clipe de Struck a Nerve:

Na faixa 9 está gravada “My Poor Friend Me”, uma das primeiras demos apresentadas para o disco (leia mais no fim do texto). Meio com cara de filler, a música lembra algum Hardcore dos primeiros discos da banda, mas, por estar com a produção mais limpa, não soou tão agressiva. O trecho de piano que há na versão demo é maravilhoso, mas inexplicavelmente foi limado da versão que saiu no disco (!!!). E já que o assunto é Hardcore, o Bad Religion quis mostrar que ainda dominava a área com “Lookin’in”, que vem seguida. O som é todo feito em cima de um esperto riff, a todo vapor, que a banda inclusive chegou usar como intro em algumas apresentações, e tem uma letra do “doutor em Geologia” Graffin sobre como a evolução humana é a também sua própria ruína.

Contracapa de single pirata de "American Jesus"
Já “Don't Pray on Me, de Brett, música “irmã” da “Man With A Mission”, é um country puro, cantando em “dupla sertaneja” e cheia de slide-guitar. Se aproximando do fim do disco, “Modern Day Catastrophists”, traz o BR fazendo um Punk Rock direto e reto, com acordes simples e cheios e levada super empolgante. A letra “dá razão” aos “catastrofistas modernos” que espalham suas teorias do fim do mundo.

E fechando as cortinas, temos aquela “lado B clássica”. “Skyscraper, a alegoria de Mr. Brett sobre a história da Torre de Babel, onde Deus, mimado e com medo de perder o poder, criou as diferentes línguas para o povo não se entender mais e não poder construir a torre que alcançaria os céus... A sequência de acordes é bem comum na música pop, soando como se os Beatles tentassem tocar um Hardcore rápido! O coro de “Build me up(tradução: “me construa”) no crescendo final é épico!

E se o disco começou direto no som, sem nenhuma intro, eles resolveram fazer uma “vinheta de encerramento” com a faixa “Stealth”, assinada por Jay, Brett e Bobby. Segundo o guitarrista, não é pra ter “nenhum significado”, o que me leva a crer que a faixa foi claramente inserida no CD para gerar algum $ de direitos autorais pro Jay e pro Bobby. Mas e o Greg Hetson? Por que não ganhou crédito$?

Cartaz de show de 93, com o Green Day
Na tour de “Recipe For Hate”, o Bad Religion teve o Green Day abrindo alguns shows, eles tiveram a oportunidade de ouvir o disco “Dookie” antes do lançamento. “Vejo vocês no topo, porque vocês vão estourar. Ninguém está fazendo um som assim no momento”, previu acertadamente Jay Bentley ao trio de São Francisco sobre seu futuro clássico, que estouraria no ano seguinte.

Recipe For Hate” fez o Bad Religion atingir o status de banda mainstream, tamanho alcance e popularidade que eles conheceram depois de seu lançamento. Musicalmente, com o disco, eles dominaram como ninguém o caminho do “Punk Rock Melódico” que eles mesmos traçaram como pioneiros anos antes. A vibe de compor clássicos que Greg Graffin e Mr. Brett estavam vivendo no momento (que durou de 93 a 96) superou todas as crises internas que o BR começou a sofrer desde que tinha “chegado lá”! Foi como se a “maldição do sucesso” não tivesse atingindo o setor criativo da banda, como o disco seguinte, o magistral “Stranger Than Fiction”, de 1994, o “ano que o Punk estourou”, veio a provar. Veremos isso no próximo post! Até lá!

Escute “Recipe For Hate” na íntegra:

BONUS: 3 demos de “Recipe For Hate” estão disponíveis no YouTube, e duas delas são de músicas que não entraram no álbum. Confira todas abaixo clicando sobre o título:

- Hole In The Ship (inédita)
- Wasting Oxygen (inédita)

Nenhum comentário:

Postar um comentário